Amós Oz: "Este é o lugar certo para começar a revolução"

"Caros amigos, eu venho de um país muito conturbado para outro país muito conturbado. Este mundo está se tornando mais sombrio. E quando eu me pergunto por quê, qual é o principal motivo para o fato de que o nosso mundo está se tornando mais nublado e sombrio, acho que um dos principais motivos é que todos nós nos afastamos cada vez mais dos horrores do século XX. Nós esquecemos. E se nós não esquecemos, nossos filhos e netos estão começando a esquecer."

Foi assim que Amós Oz começou sua conversa com os leitores brasileiros no último dia 24 de junho. O escritor israelense esteve em São Paulo, na Casa do Povo, para lançar seu novo livro de ensaios, Mais de uma luz. O livro reúne três textos: no primeiro, Oz revê e amplia seu artigo clássico, Como curar um fanático, argumentando em defesa da controvérsia e da diferença. No segundo ensaio, inspirado no livro Os judeus e as palavras, o autor tece uma belíssima reflexão sobre o judaísmo como eterno jogo de interpretação, reinterpretação, contrainterpretação. O texto final discute a candente questão da convivência em uma das regiões mais disputadas do mundo. Oz propõe um diálogo com a esquerda pacifista, sugerindo que se abandone o sonho de um estado binacional como solução para os conflitos entre Israel e Palestina - a saída, para ele, estaria na existência de dois estados nacionais diferentes.

Confira neste vídeo o bate-papo completo com Amós Oz.

 

Neste post