Rádio Companhia #61 - Waly Salomão

 

O programa #61 é uma homenagem a Waly Salomão. Em 2018, Waly completaria 75 anos.


Baiano da cidade de Jequié, formou-se em direito pela UFBA, mas nunca exerceu a profissão. Além de poeta, foi diretor de espetáculos musicais como FA-TAL: Gal a todo vapor, diretor da Fundação Gregório de Matos de Salvador e coordenador do carnaval da Bahia, entre muitas outras atividades no ramo cultural. Teve poemas musicados por inúmeros artistas, entre eles Caetano Veloso, Gilberto Gil, Jards Macalé, João Bosco e Adriana Calcanhotto.


No podcast, Alice Sant’Anna conversa com Antonio Cicero, compositor, poeta, crítico literário, filósofo, escritor brasileiro — e amigo e parceiro de Waly. Temos também depoimentos de Chacal e de Heloisa Buarque de Hollanda. 


"O Wally era excessivo mas eu já disse isso mas de todos amigos que nós perdemos aquele de que tenho mais saudades é o Waly. Atribuo ao fato de ser muito interessante todo o tempo mesmo quando se tornava cansativo esse jogo de encenar própria vida e a vida alheia." — Caetano Veloso

"A poesia de Waly é o fruto bem temperado daquela mistura que tornava o homem poeta tão cativante: ladrão de Bagdá e cozinheiro baiano, piadista de Jequié e 'leitor luterano' de Drummond, profeta de desastres telúricos e cidadão solidário, atento às pequenas misérias do cotidiano brasileiro. E sobretudo poeta. Poeta solto, agora, no espaço sideral: 'minhas brutas ânsias acrobáticas/ que suspensas piruetam pânicas/ nas janelas do caos/ se desprendem dos trapézios/ e, tontas, buscam o abraço fraterno e solidário dos espaços vácuos'." — Leyla Perrone-Moisés

 

Documentário sobre sua vida:  Pan-Cinema Permanente

 

***

Ouça também no iTunesDeezer ou no Spotify.

Tem alguma crítica, elogio ou sugestão? Escreva pra gente no nosso e-mail, radio@companhiadasletras.com.br, ou nas nossas redes sociais.

 

Semana sim, semana não, a gente se vê por aqui.

Produção e apresentação: Fabio Uehara

Edição: Jose Bárrickelo

 

Neste post