Semana trezentos e cinquenta e oito

Companhia das Letras

Dando tratos à bola, de Hilário Franco Júnior

Em sessenta ensaios — entre inéditos e já publicados na imprensa e sites especializados, em versão revista e ampliada —, o historiador Hilário Franco Júnior convida o leitor a fazer uma reflexão sobre este que é indiscutivelmente o maior esporte brasileiro: o futebol. Com textos acessíveis, mas sem perder de vista o rigor acadêmico, Dando tratos à bola explora as várias camadas que compõem um tema imprescindível para compreender nossa cultura, história e identidade. Estão incluídos na atenta análise do autor os aspectos sociais e culturais do esporte, o papel das torcidas, a imagem dos grandes jogadores, a influência das instituições que estão por trás dos campeonatos, a possibilidade de enxergar em times como o Corinthians uma representação da sociedade brasileira, além de uma avaliação detalhada sobre o papel do Brasil em cada Copa do Mundo.

Versiprosa, de Carlos Drummond de Andrade

Versiprosa é composto por “crônicas que transferem para o verso comentários e divagações da prosa”, conforme esclarece o próprio Drummond. O resultado é uma dicção literária original, pronta a decifrar o cotidiano e propor um enquadramento inquieto do Brasil das décadas de 1950 e 1960. Em possível diálogo com o exemplo de Machado de Assis, que também publicou crônicas em verso, o escritor itabirano apresenta, nos mais de cem textos reunidos no volume, uma voz sensível e mordaz, que persegue com tenacidade as novidades e assombros de seu tempo. Escolado nos diversos assuntos propostos pelo noticiário, o cronista-poeta de Versiprosa forja uma linguagem espirituosa, cuja agilidade se propõe a tomar o pulso à atualidade com graça e leveza.

Explica tudo, de Randall Munroe (tradução de Érico Assis)

Randall Munroe está aqui para ajudar qualquer pessoa que já quis aprender sobre algo incrível, mas acabou frustrada por um jargão hermético e incompreensível. Em Explica tudo, ele usa desenhos básicos e apenas as 998 palavras mais comuns do idioma para desvendar, de maneira simples, as coisas mais curiosas que existem, entre elas: Caixa de rádio que aquece comida (forno micro-ondas); Estradas altas (pontes); Edifício cheio de computadores (data center); A casa no espaço (Estação Espacial Internacional); Mundos em volta do Sol (o Sistema Solar); Pedras grandes e lisas onde moramos (placas tectônicas); Pecinhas das quais tudo é feito (tabela periódica); Barco-do-céu com asas que giram (helicóptero); Caixa que deixa a roupa com cheiro bom (lavadora e secadora); Saquinhos de água que formam você (célula animal) e muito mais. Como essas coisas funcionam? De onde elas vêm? Como seria nossas vidas sem elas? E o que aconteceria se as abríssemos? Ou se as esquentássemos? E se apertássemos aquele botão? Munroe nos traz respostas a essas e muitas outras questões. Engraçado, interessante e sempre compreensível, Explica tudo é para qualquer pessoa que tenha entre cinco e 105 anos e já se perguntou como e por que as coisas são como são.

Os limites da política, de José Arthur Giannotti e Luiz Damon Santos Moutinho

Qual o lugar da política em nossas modernas sociedades capitalistas? De que política se trata? Como a democracia deve se haver com uma economia que provoca riqueza gerando desigualdades insalubres? Essas são algumas das questões sobre as quais se debruçam os filósofos José Arthur Giannotti e Luiz Damon Moutinho em Os limites da política. Instigado pelo alcance e profundidade do e-book A política no limite do pensar, de Giannotti, publicado pela Companhia das Letras em 2014, Luiz Damon reagiu escrevendo um ensaio em que refletia sobre as bases filosóficas dos argumentos do colega. As provocações de Damon levaram Giannotti a acentuar ou corrigir algumas de suas ideias. Os limites da política nasceu de um intenso debate entre os dois filósofos, com réplicas e tréplicas, agora reunidas em um só volume juntamente ao ensaio original que deu origem à polêmica.

O tempo e o vento (Parte II) - O Retrato, de Erico Verissimo

O Retrato é a segunda parte da mais famosa saga da literatura brasileira, O tempo e o vento. A trilogia de Erico Verissimo — formada por O Continente, O Retrato e O arquipélago — percorre um século e meio da história do Rio Grande do Sul e do Brasil, acompanhando a formação da família Terra Cambará. Nos dois volumes de O Retrato, Rodrigo Terra Cambará, neto do heroico capitão Rodrigo, constrói uma imagem de político popular e generoso, enfrentando as contradições de seus afetos privados e reafirmando sua inteireza ética e sua coragem. Homem sedutor, torna-se líder populista e muda-se para o Rio o de Janeiro. Em 1945, porém, com a queda de Vargas, ele volta à cidade natal para um ajuste de contas com a família. No entanto, os Terra Cambará não se reconhecem mais no país que ajudaram a construir.

Acerto de contas, organizado por Daniel Galera (tradução de Eduardo Brandão)

Novas gerações de escritores latino-americanos vêm travando emocionantes batalhas criativas para superar estereótipos culturais, libertar-se da “ansiedade da influência” deixada por grandes autores e movimentos literários do passado e, sobretudo, dar conta de narrar as transformações alucinantes do momento presente. Nesta coleção de contos, organizada pelo escritor Daniel Galera e originalmente publicada nos Estados Unidos na revista literária McSweeney’s, treze autores de dez países, entre estreantes e veteranos, foram convidados para escrever histórias de crime contemporâneas. Dos balneários ricos de Punta del Este aos becos sórdidos de Havana, passando por cadáveres e histórias de amor, políticos corruptos e detetives desastrados, altares satânicos e ambulâncias roubadas, o resultado é um conjunto de histórias selvagens e divertidas, marcadas por grande variedade de estilos, nas quais a tradição e a história do continente se entrechocam com os impasses sociais e políticos dos tempos atuais.

Alfaguara

Relatos de um gato viajantede Hiro Arikawa (tradução de Rita Kohl)

O gato Nana está viajando pelo Japão. Ele não sabe muito bem para onde está indo ou por que, mas ele está sentado no banco da van prata de Satoru, seu dono. Lado a lado, eles cruzam o país para visitar velhos amigos. O fazendeiro durão que acredita que gatos só servem para caçar ratos, o simpático casal dono de uma pousada que aceita animais, e o marido abandonado pela esposa que ama animais. Mas qual é o motivo dessa viagem? E por que todos estão tão interessados em Nana e Satoru? Ninguém sabe muito bem o que está acontecendo e Satoru não diz nada, mas quando Nana descobrir o motivo da viagem, seu pequeno coração passará por uma das mais difíceis provas de suas sete vidas. Narrado em vozes alternadas, esse romance emocionante e divertido nos mostra um jovem de grande coração e um narrador-gato muito esperto, numa amizade que desafia as fronteiras de um país e da própria vida.

Seguinte

Uma bolota molenga e feliz, de Sarah Andersen (tradução de André Czarnobai)

As incríveis tirinhas de Sarah Andersen são para nós, que não economizamos dinheiro na livraria, vivemos à base de café, deixamos tudo para a última hora, somos especialistas em roubar o blusão alheio, não sabemos nos comportar em situações sociais e insistimos em Pensar Demais. Esta segunda coletânea continua exatamente onde a primeira parou: debaixo de uma pilha de cobertas, evitando as responsabilidades do mundo real. Este volume traz tiras que acompanham os altos e baixos da montanha-russa implacável que é o começo da vida adulta, além de ensaios ilustrados sobre experiências pessoais da autora ligadas a ansiedade, carreira, relacionamentos e amor por gatinhos. Tudo isso com o mesmo tom sincero, leve e divertido que já conquistou mais de 2 milhões de fãs no Facebook.

Quadrinhos na Cia.

Anne Frank: a biografia ilustradade Sid Jacobson e Ernie Colón (tradução de Augusto Pacheco Calil)

Com acesso total aos arquivos da Casa de Anne Frank, em Amsterdam, Sid Jacobson e Ernie Colón realizaram esta extraordinária graphic novel. A partir de intensa pesquisa e cuidadosa contextualização histórica, os autores reconstituem a vida de Annelies Marie Frank, do seu nascimento, em junho de 1929, até sua morte precoce, em março de 1945, de tifo, no campo de concentração de Bergen-Belsen. Em julho de 1942, Anne, seu pai, Otto, sua mãe, Edith, e sua irmã mais velha, Margot, passaram a viver em um esconderijo em um prédio de Amsterdam para escapar dos nazistas que ocupavam a Holanda durante a Segunda Guerra Mundial. Lá, escreveu a maior parte do diário que se tornaria, nas décadas seguintes, o mais célebre testemunho dos horrores do holocausto.

Como falar com garotas em festas, de Neil Gaiman, Fábio Moon e Gabriel Bá (tradução de Fábio Moon e Gabriel Bá)

Enn é um garoto de quinze anos que nunca se dá bem com as garotas, enquanto seu amigo Vic tem todas a seus pés. Na Londres dos anos 1970, auge do punk, os dois estão prestes a viver a aventura mais espetacular de suas vidas. Ao serem convidados para uma festa, conhecem as belas Stella, Wain e Triolet e descobrem mais segredos do que jamais poderiam supor. Do premiado Neil Gaiman, autor de Deuses americanos e Sandman, e adaptado e ilustrado de maneira extraordinária pelos irmãos Gabriel Bá e Fábio Moon, Como falar com garotas em festas é uma graphic novel eletrizante, uma jornada sobre as descobertas do amor, das diferenças e dos mistérios que cercam o amadurecimento.

Companhia das Letrinhas

Capitão Cueca e a invasão das incrivelmente malvadas tias da cantina de outro planeta e o ataque subsequente dos igualmente perversos zumbis nerds, de Dev Pilkey (tradução de Galiana Lindoso)

Não há um aluno, professor ou funcionário da escola Jerome Horwitz que não tenha caído em uma das peças de Jorge e Haroldo. Dessa vez, as vítimas foram as tias da cantina, que, de tão bravas, resolvem pedir demissão. Para substituí-las, o sr. Krupp acaba contratando três alienígenas que têm tudo para ser ótimos funcionários - a não ser pelo fato de que pretendem dominar a Terra! Tudo parece perdido, até o Capitão Cueca entrar em ação! Mas será que o poder do cuecão é forte o bastante para combater seres malignos de outro planeta e salvar a humanidade mais uma vez?

O clube do tênis vermelhode Ana Punset (tradução de Julia de Souza)

Lúcia, Marta, Frida e Bia são melhores amigas. Elas sabem tudo umas das outras, conversam o tempo todo e se ajudam no que for preciso. É por isso que, quando Marta se muda com a família para outro país, as quatro resolvem fundar um clube para garantir que a amizade entre elas jamais termine - o Clube do Tênis Vermelho. Pouco depois da partida da amiga, Lúcia, Frida e Bia descobrem que uma revista está promovendo um concurso cujo prêmio é uma viagem para Berlim, justamente a cidade onde Marta foi morar! Não seria incrível visitá-la? Para isso, elas terão de produzir um vídeo em que estejam dançando uma música de Justin Bieber e manter a união do Clube - o que pode ser mais difícil do que parece…

Suma de Letras

A bússola de ouro, de Philip Pullman (tradução de Eliana Sabino)

Lyra Belacqua e seu daemon, Pantalaimon, vivem felizes e soltos entre os catedráticos da Faculdade Jordan, em Oxford. Até que rumores invadem a cidade — boatos sobre sequestradores de crianças, os Papões, que estão espalhando o medo pelo país. Quando seu melhor amigo, Roger, desaparece, Lyra entra em uma perigosa jornada para reencontrá-lo. O que ela não desconfia é que muitas outras forças influenciam seu destino e que sua aventura a levará às terras congeladas do norte, onde feiticeiras e ursos de armadura se preparam para uma guerra. Embora tenha a ajuda do aletiômetro — um poderoso instrumento que responde a qualquer pergunta —, nada a prepara para os mistérios e a crueldade que encontra durante a viagem. E, mesmo que ainda não saiba, Lyra tem uma profecia a cumprir, e as consequências afetarão muitos mundos além do dela.

A faca sutil, de Philip Pullman (tradução de Eliana Sabino)

Perdida em um mundo desconhecido, Lyra Belacqua encontra Will Parry — um fugitivo que logo se torna um aliado mais do que necessário. Pois este novo mundo é povoado por Espectros sugadores de alma, e no céu as feiticeiras disputam espaço com anjos. Will procura pelo pai, um explorador desaparecido há anos, e Lyra busca a origem do Pó. No entanto, o que os dois descobrem é um segredo mortal e uma arma de poder absoluto, capaz de decidir o resultado na guerra que se forma ao redor deles. O que nenhum dos dois suspeita é do quanto suas vidas, seus objetivos e seus destinos estão conectados... até que precisam se separar. A faca sutil é a viciante sequência de A bússola de ouro, um clássico da fantasia considerado pela Entertainment Weekly “o melhor livro de todos os tempos”. A fantástica aventura de Lyra continua, levando o leitor a novos mundos, rumo a uma descoberta devastadora. 

A luneta âmbar, de Philip Pullman (tradução de Ana Deiró)

Em todos os universos, forças se reúnem para tomar um lado na audaciosa rebelião de lorde Asriel contra a Autoridade. Cada soldado tem um papel a desempenhar — e um sacrifício a fazer. Feiticeiras, anjos, espiões, assassinos e mentirosos: ninguém sairá ileso. Lyra e Will têm a tarefa mais perigosa de todas. Com a ajuda de Iorek Byrnison, o urso de armadura, e de dois minúsculos espiões galivespianos, eles devem alcançar um mundo de sombras, onde nenhuma alma viva jamais pisou e de onde não há saída. Enquanto a guerra é travada e o Pó desaparece nos céus, o destino dos vivos — e dos mortos — recai sobre os ombros dos dois. Will e Lyra precisam fazer uma escolha simples, e a mais difícil de todas, com consequências brutais. A luneta âmbar é o último livro da trilogia Fronteiras do Universo, que teve início com A bússola de ouro e A faca sutil. Uma conclusão emocionante, que leva o leitor a novos e fantásticos universos.

O iluminadode Stephen King (tradução de Betty Ramos de Albuquerque)

O lugar perfeito para recomeçar, é o que pensa Jack Torrance ao ser contratado como zelador para o inverno. Hora de deixar para trás o alcoolismo, os acessos de fúria e os repetidos fracassos. Isolado pela neve com a esposa e o filho, tudo o que Jack deseja é um pouco de paz para se dedicar à escrita. Mas, conforme o inverno se aprofunda, o local paradisíaco começa a parecer cada vez mais remoto... e sinistro. Forças malignas habitam o Overlook, e tentam se apoderar de Danny Torrance, um garotinho com grandes poderes sobrenaturais. Possuir o menino, no entanto, se mostra mais difícil do que esperado. Então os espíritos resolvem se aproveitar das fraquezas do pai...Um dos livros mais assustadores de todos os tempos, O iluminado é uma das obras mais consagradas do terror e ganha nova edição na coleção Biblioteca Stephen King. 

O labirinto dos espíritosde Carlos Ruiz Zafón (tradução de Paulina Wacht e Ari Roitman​)

Madrid, anos 1950. Alicia Gris é uma alma nascida das sombras da guerra, que lhe tirou os pais e lhe deu em troca uma vida de dor crônica. Investigadora talentosa, é a ela que a polícia recorre quando o ilustre ministro Mauricio Valls desaparece; um mistério que os meios oficiais falharam em solucionar. Em Barcelona, Daniel Sempere não consegue escapar dos enigmas envolvendo a morte de sua mãe, Isabella. O desejo de vingança se torna uma sombra que o espreita dia e noite, enquanto mergulha em investigações inúteis sobre seu maior suspeito — o agora desaparecido ministro Valls. Os fios dessa trama aos poucos unem os destinos de Daniel e Alicia, conduzindo-os de volta ao passado, às celas frias da prisão de Montjuic, onde um escritor atormentado escreveu sobre sua vida e seus fantasmas; aos últimos dias de vida de Isabella, com seus arrependimentos e confissões; e a intrigas ainda mais perigosas, envolvendo figuras capazes de tudo para manter antigos esqueletos enterrados. Com O labirinto dos espíritos, Zafón nos conduz ao emocionante desfecho da série que começou com A sombra do vento e emocionou leitores por todo o mundo. Personagens novos e antigos povoam as páginas, se entrelaçando em uma despedida grandiosa.

Paralela

Para as solteiras, com amor, de Julia Faria

Estar solteira pode ser muito divertido e libertador, mas muitas mulheres se deparam com diversos tipos de inseguranças quando estão sozinhas. Neste seu primeiro livro, a atriz e digital influencer Julia Faria defende que o foco principal delas nesse momento precisa ser conhecer melhor a si próprias, e não outras pessoas. Só assim conseguirão encontrar suas caras-metades (se assim desejarem). Os delicados textos aqui reunidos ajudam a refletir sobre o que esperar de um relacionamento e a lidar com o fim inevitável de alguns deles. Sempre com bom humor, a autora faz uma necessária investigação do mundo do flerte e seus códigos. Mais do que um livro para quem está (ou esteve) solteira, a estreia de Julia Faria é uma defesa da autoestima feminina. Sem ela, mostra a autora, não existe final feliz.

Em órbita, de Tim Peake (tradução de Alexandre Boide)

O astronauta inglês Tim Peake passou mais de seis meses a bordo da Estação Espacial Internacional, completando dezesseis voltas na Terra por dia e se maravilhando com as paisagens que via pela janela. Os picos nevados do Himalaia e as dunas escaldantes do Saara, a noite iluminada de Dubai e o pôr do sol no oceano Pacífico, as milhares de crateras da Lua e aos cinquenta tons de azul das Bahamas, a beleza tortuosa do Alasca e uma magnífica aurora austral, as pirâmides do Egito e o canal do Panamá, o rio Amazonas serpenteando pela floresta e até o contorno de Ipanema e Copacabana com a ponte Rio-Niterói cruzando a baía de Guanabara — ele registrou tudo, em fotos de tirar o fôlego. Reunidas neste livro, elas nos oferecem uma chance de redescobrir a beleza do planeta em que vivemos e conhecer um mundo que nunca vimos antes.

Objetiva

A vida secreta da mente, de Mariano Sigman (tradução de Joana Angélica d'Avila Melo)

A neurociência é um dos campos de pesquisa mais apaixonantes da atualidade. A vida secreta da mente é um passeio pelo cérebro e pelo pensamento, para entendermos o que somos, como forjamos ideias nos nossos primeiros dias de vida, como modelamos as nossas decisões, como sonhamos e como imaginamos. Também tenta esclarecer por que sentimos certas emoções em relação aos outros, como eles podem ter influência sobre nós, e como o cérebro se transforma, mudando aos poucos nossa natureza. Durante vinte anos de pesquisa, o premiado neurocientista Mariano Sigman cultivou uma visão interdisciplinar sobre o tema. Ele se baseia em pesquisas de física, linguística, psicologia, educação, matemática, entre outros, para explicar, por exemplo, por que as pessoas que falam mais de um idioma são menos propensas à demência; como bebês podem reconhecer pela visão objetos que antes só tocaram; como, mesmo antes de balbuciar as primeiras palavras, as crianças têm um senso inato do certo e do errado; como podemos “ler” os pensamentos de pacientes vegetativos, decodificando padrões na sua atividade cerebral. A inovadora pesquisa de Sigman nos faz repensar a maneira como entendemos nossa própria vida.

Reimpressões

Um copo de cólerade Raduan Nassar

O processo, de Franz Kafka

Gabriela, cravo e canela, de Jorge Amado

Neste post