Semana trezentos e cinquenta e seis

Companhia das Letras

Borges babilônico, de Jorge Schwartz
Projeto colossal, Borges babilônico demorou quase duas décadas para ser realizado. Sob a coordenação de Jorge Schwartz e Maria Carolina de Araújo, dezenas de especialistas brasileiros e estrangeiros produziram mais de mil verbetes, compondo uma espécie de enciclopédia que ajuda a decifrar nomes, referências, temas e citações que aparecem nos textos de Jorge Luis Borges (1899-1986). Com textos de Ricardo Piglia, Beatriz Sarlo, Davi Arrigucci Jr. e muitos outros, Borges babilônico leva o leitor a inventar novos caminhos e sentidos para a obra de um dos escritores-chave do século XX.

Algoritmos para viver, de Brian Christian e Tom Griffiths
Quando ouvimos falar em algoritmos, em geral pensamos em programas de computador que estão fazendo algum trabalho em nosso lugar. No entanto, os algoritmos - séries de passos usadas para resolver problemas - têm sido parte de nossas vidas desde a Idade da Pedra. Explicando com clareza problemas matemáticos célebres e descrevendo a origem e o funcionamento de vários algoritmos, o jornalista Brian Christian e o professor de psicologia e ciência cognitiva Tom Griffiths nos mostram que tanto seres humanos como computadores enfrentam limites e dificuldades para resolver problemas. Mais do que apontar os melhores caminhos para otimizar tarefas, este livro ilumina aspectos surpreendentes do funcionamento da mente humana, de nossas emoções e de nosso comportamento. Com o apoio de pesquisas multidisciplinares e de entrevistas com especialistas de diversas áreas, Algoritmos para viver é um mergulho revelador nos processos matemáticos que regem parte cada vez maior de nossa vida cotidiana.

Penguin

Os miseráveis, de Victor Hugo
Considerado a obra-prima de Victor Hugo, este romance se desdobra em muitos: é uma história de injustiça e heroísmo, mas também uma ode ao amor e também um panorama político e social da Paris do século XIX. Pela história de Jean Valjean, que ficou anos preso por roubar um pão para alimentar sua família e que sai da prisão determinado a deixar para trás seu passado criminoso, conhecemos a fundo a capital francesa e seu povo, o verdadeiro protagonista. Na via crucis que é o romance sobre a vida de Valjean, são retraçadas as misérias cotidianas e os dias de glória do povo francês, que fez das ruas seu campo de batalha e das barricadas a única proteção possível contra a violência cometida pela lei. Esta edição traz ainda uma esclarecedora apresentação de Renato Janine Ribeiro.

Reimpressões

Desonra, de J. M. Coetzee
Homo deus, de Yuval Noah Harari
Mahatma Gandhi, de Joseph Lelyveld
Pós – capitalismo, de Paul Mason
Sombras dos reis barbudos, de José J. Veiga
Um copo de cólera, de Raduan Nassar
Uma história do futebol, de José Roberto Torero
O processo, de Franz Kafka
A profecia celestina, de James Redfield
A civilização do espetáculo, de Mario Vargas Llosa
A espiã, de Louise Fitzhugh
A rainha vermelha, de Victoria Aveyard
Misery, de Stephen King
Em cima daquela serra, de Eucanaã Ferraz

 

Neste post