Semana trezentos e quarenta e cinco

Companhia das Letras

Da poesia, de Hilda Hilst
A intensa e prolífica atividade literária de Hilda Hilst se desdobrou em livros de ficção e em peças de teatro, mas foi na poesia que ela deu início à sua carreira. Ao longo de 45 anos, entre 1950 e 1995, a poeta publicou em pequenas tiragens graças ao entusiasmo de editoras independentes, com destaque para Massao Ohno, seu amigo e principal divulgador. No início dos anos 2000, os títulos de Hilda começaram a ser editados pela Globo. A partir desse momento, a sua escrita - até então considerada marginal e hermética - passou a ter ampla divulgação e a receber o interesse de uma legião de leitores e estudiosos. Agora, a Companhia das Letras reúne, pela primeira vez, toda a lavra poética da autora de Bufólicas em um só livro, que inclui, além de mais de 20 títulos, uma seção de inéditos e fortuna crítica. O material contém posfácio de Victor Heringer, carta de Caio Fernando Abreu para Hilda, dois trechos de Lygia Fagundes Telles sobre a amiga e uma entrevista cedida a Vilma Arêas e a Berta Waldman, publicada no Jornal do Brasil em 1989. A poesia de Hilda - que ganha forma em cantigas, baladas, sonetos e poemas de verso livre - explora a morte, a solidão, o amor erótico, a loucura e o misticismo. Ao fundir o sagrado e o profano, a poeta se firmou como uma das vozes mais transgressoras da literatura brasileira do século XX.  

Penguin-Companhia

Confissões, de Santo Agostinho (tradução de Lorenzo Mammi)
Redigido no século IV, entre Antiguidade e Idade Média, as Confissõesde Agostinho de Hipona são ainda hoje um livro surpreendente. Por um lado, pela densidade poética e pela originalidade da escrita, e por inaugurar o gênero da autobiografia como história da formação de uma personalidade, elas representam um marco único na história da literatura ocidental. Por outro, Agostinho elabora nelas uma nova maneira de fazer filosofia, estranha à tradição antiga, por ser baseada não apenas em conceitos abstratos e deduções, mas sobretudo na observação fina dos movimentos psicológicos, das motivações interiores e do significado de pequenos fatos e gestos cotidianos. O resultado é uma leitura incontornável para todos os que se interessam por filosofia, história ou religião.

Companhia das Letrinhas

O futuro de Horácio, de Mauricio de Sousa e ilustrações de Weberson Santiago
Horácio vivia tranquilo comendo alfaces e explorando cavernas pré-históricas - e acreditava que assim passaria o resto de seus dias. Mas o seu mundo virou de pernas para o ar quando, certa tarde, ele conheceu um velho dinossauro que lhe mostrou que seu futuro era menos promissor do que ele podia imaginar: Horácio e seus companheiros de espécie seriam extintos! E agora? Será possível mudar o seu destino? Triste e desnorteado, o dinossauro não fazia ideia de que, naquele mesmo dia, se tornaria o responsável por garantir o futuro de outra - e importantíssima - espécie... Nesta história, o quarto volume da coleção Turma da Mônica, além do texto em prosa ilustrado por Weberson Santiago, o leitor também conhecerá curiosidades sobre o Horácio, o personagem que mais se parece com seu criador, Mauricio de Sousa, e trechos da versão original em quadrinhos desta narrativa, de 1971.

Suma de Letras

Como ser um gamer profissional, de FNATIC (Tradução de Mateus Erthal)

Assistido por milhões e adorado pelos melhores gamers profissionais do mundo, League of Legends é muito mais do que apenas um jogo. A equipe Fnatic tem competido em League of Legends desde o princípio dos eSports. Em Como se tornar um gamer profissional, o time guia o leitor pelos bastidores da vida dos competidores de elite e para dentro do universo dos games competitivos. Você vai encontrar dicas para melhorar suas estratégias de jogo, seu trabalho em equipe e sua concentração. Absorvendo os conhecimentos e a experiência desses jogadores, é uma questão de tempo até que você também seja um campeão mundial. Conheça um pouco da história dos eSports e da criação da Fnatic, que é hoje um dos maiores e melhores times do circuito de League of Legends. Pegue dicas com jogadores de elite que já conquistaram o mundo dos games e entraram para a história das competições profissionais! Está preparado?

Alfaguara

Dicionário das línguas imagináriasde Olavo Amaral
Os Yualapeng são uma tribo peculiar na América do Sul. Sua língua não admite a existência dos verbos "ir" e "vir". Eles apenas voltam, num movimento que os leva sempre ao lugar de origem. Inconformado com tal lacuna, Gérard Valdès, o linguista francês que os estuda, tenta lhes ensinar outros conceitos de deslocamento, e as consequências irão afetar sua própria forma de pensar. "Estava morrendo de palavras", diz o narrador de outro conto. Diagnosticado com uma fibrose na glote, e perdendo aos poucos a capacidade da fala, ele decide viajar aos confins da Sibéria para conviver com um povo nômade, os Skali, donos de um dos idiomas mais rudimentares do mundo, em uma expedição rumo ao fim da linguagem. Escritor e cientista, Olavo Amaral mescla fatos e fantasia, narrativas labirínticas e distopias, na tradição dos grandes autores que escapam do realismo para tratar dos temas cruciais da situação humana.

 

Romancista como vocação, de Haruki Murakami (tradução de Eunice Suenaga)
Haruki Murakami é um dos mais conhecidos autores contemporâneos do Japão. Quando seus livros são lançados, a imprensa noticia filas enormes nas livrarias de Tóquio e traduções para mais de quarenta idiomas. Ícone da escrita fluida, Murakami transita bem em diversos estilos narrativos: ficção, ensaio, reportagem, nada parece estar fora de seu talento literário. Para abarcar toda essa multiplicidade, chega agora Romancista como vocação, uma série de proposições sobre a escrita, a literatura e a vida pessoal do recluso escritor. Escrito na linguagem acessível típica de Murakami, este livro é um convite a todos que desejam habitar o mundo dos romancistas, bem como uma declaração de amor ao ato da escrita.

Reimpressões

Eu sou Malala, de Malala Yousafzai    
Hibisco roxo, de Chimamanda Ngozi Adichie    
O príncipe, de Maquiavel    
O segredo do Licorne, de Hergé    
O templo do sol, de Hergé    
Rumo à Lua, de Hergé    
Tintim no Congo, de Hergé    
Tintim no país dos sovietes, de Hergé    
Sejamos todos feministas, de Chimamanda Ngozi Adichie    
It – A coisa, de Stephen King    
A formação das almas, de José Murilo de Carvalho    
Para educar crianças feministas, de Chimamanda Ngozi Adichie    
Retrato em branco e negro, de Lilia M. Schwarcz
 
 
Neste post