Semana trezentos e quarenta e seis

Companhia das Letras

Bíblia - Novo testamento (tradução de Frederico Lourenço)
Com apresentação, tradução e notas de Frederico Lourenço, tradutor premiado que já verteu para o português obras clássicas como Ilíada e Odisseia, esta edição, que será composta por seis volumes, toma por base o texto original do Novo Testamento, com seus 27 livros, e a versão grega do Antigo Testamento, também conhecida como "Bíblia dos Setenta", composta por 53 livros originalmente escritos em hebraico e traduzidos para o grego no século III a.C. Trata-se, portanto, da versão mais completa que há da Bíblia, na qual figuram inclusive partes que viriam a ser excluídas do cânone definitivo. Além disso, a versão grega traz sutis diferenças em relação à hebraica, de modo que ler o livro de Gênesis ou o Cântico dos Cânticos numa tradução que toma como base a variante grega é ler um novo texto. Marco fundamental da história do judaísmo, uma vez que simboliza o momento em que a cultura judaica se internacionaliza ao ser vertida para a língua franca de então, a Bíblia dos Setenta é também de inestimável importância para o estudo da história do cristianismo, uma vez que era a Bíblia das primitivas comunidades cristãs. É a partir dessa versão do Antigo Testamento que Jesus Cristo, pela mão dos evangelistas, cita a Escritura. Por meio de uma atitude ponderada e desprovida de preconceitos face aos problemas linguísticos suscitados, Lourenço oferece notas que esclarecem e contextualizam, respeitando com isso a sensibilidade dos leitores religiosos que desejam aprofundar seu conhecimento das Escrituras sem deixar de cumprir as expectativas daqueles interessados num olhar mais objetivo. Neste primeiro volume, o leitor encontrará os quatro evangelhos do Novo Testamento, e poderá desfrutar das particularidades da voz de cada Evangelista. A tradução rigorosa, marcada pela busca do sentido mais profundo das palavras originais, ressalta a dimensão literária deste que é o maior livro de todos os tempos.

Objetiva

Stálin: Volume 1, de Stephen Kotkin (tradução de Pedro Maia Soares)
Em janeiro de 1928, Stálin embarcou num trem com destino à Sibéria, onde faria a grande aposta de sua vida política. Estava prestes a lançar o mais radical programa de replanejamento social já imaginado: a coletivização da agricultura e da indústria por toda a União Soviética. Milhões morreriam, mas ele iria até o fim contra toda resistência e dúvida. Como Stálin chegou a este ponto? De onde veio um poder tão desmedido e monstruoso? Produto de uma década de pesquisas meticulosas, este livro - o primeiro de três volumes - apresenta o retrato mais convincente já publicado sobre a chegada de Stálin ao poder. Stephen Kotkin apresenta revelações surpreendentes e uma visão íntima da geografia interna do regime bolchevique. O autor expõe de forma brilhante a sequência de catástrofes que eliminaram as estruturas sociais, o exército, os rivais e os próprios colegas que se colocaram no caminho de Stálin.

Reimpressões

Origens do totalitarismo, de Hannah Arendt
Terra sonâmbula, de Mia Couto
O cérebro e a inteligência emocional, de Daniel Goleman
A prisão do rei, de Victoria Aveyard
O Mestre e Margarida, de Mikhail Bulgákov
A montanha mágica, de Thomas Mann
Hibisco roxo, de Chimamanda Ngozi Adichie
Meu primeiro livro de contos de fadas, de Mary Hoffman
Quem soltou o Pum?, de Blandina Franco
Liderança, de Daniel Goleman
Fique onde está e então corra, de John Boyne
O que é fascismo? E outros ensaios, de George Orwell
Os fuzis e as flechas, de Rubens Valente Soares
Retrato em branco e negro, de Lilia M. Schwarcz
Relato de um certo Oriente, de Milton Hatoum
Moda com propósito, de André Luiz Braga Carvalhal
O cemitério, de Stephen King

Neste post