Semana trezentos e setenta e três

Companhia das Letras

50 poemas de revoltade vários autores

Nesta breve antologia, o leitor vai encontrar muitos motivos para se indignar. Desigualdade social, racismo, machismo, incontáveis modalidades de opressão e intolerância: esses são os temas tratados por 34 poetas brasileiros. Os poemas que compõem esta seleta por vezes revelam uma ponta de esperança; outras vezes, mergulhados em desgosto, levam o desânimo e a apatia às últimas consequências. Canônicos e novíssimos, os poetas abordam questões assombrosamente atuais e contundentes, mesmo quando parecem tratar de um passado distante. Escreve Hilda Hilst: “Repensemos a tarefa de pensar o mundo”. 

Com poemas de Adelaide Ivánova, Alice Ruiz, Ana Cristina Cesar, Angélica Freitas, Armando Freitas Filho, Bruna Beber, Cacaso, Carlos Drummond de Andrade, Carolina Maria de Jesus, Chacal, Claudia Roquette-Pinto, Conceição Evaristo, Fabiano Calixto, Fabrício Corsaletti, Ferreira Gullar, Francisco Alvim, Hilda Hilst, Horácio Costa, João Cabral de Melo Neto, Jorge de Lima, José Paulo Paes, Laura Liuzzi, Ledusha, Mário de Andrade, Nicolas Behr, Oswald de Andrade, Paulo Leminski, Roberto Piva, Tarso de Melo, Torquato Neto, Vinicius de Moraes, Waly Salomão, Yasmin Nigri e Zuca Sardan.

Reimpressões

O livro dos ressignificados, de João Doederlein

Memórias de um sargento de milícias, de Manuel Antônio de Almeida

Senhor das moscas, de William Golding (tradução de Sergio Flaksman)

Eu sou Malala, de Malala Yousafzai e Christina Lamb (tradução de George Schlesinger e Luciano Vieira Machado e Denise Bottmann e Caroline Chang)

O iluminado (Capa dura)de Stephen King (tradução de Betty Ramos de Albuquerque)

O livro de Jô, de Jô Soares e Matinas Suzuki Jr.

A glória e seu cortejo de horrores, de Fernanda Torres

A prisão do rei, de Victoria Aveyard (tradução de Alessandra Esteche)

Neste post