Semana trezentos e vinte e quatro

Companhia das Letras

Homo Deus: uma breve história do amanhã, de Yuval Noah Harari, traduzido por Paulo Geiger
Neste Homo Deus: uma breve história do amanhã, Yuval Noah Harari, autor do estrondoso best-seller Sapiens: uma breve história da humanidade, volta a combinar ciência, história e filosofia, desta vez para entender quem somos e descobrir para onde vamos. Sempre com um olhar no passado e nas nossas origens, Harari investiga o futuro da humanidade em busca de uma resposta tão difícil quanto essencial: depois de séculos de guerras, fome e pobreza, qual será nosso destino na Terra? A partir de uma visão absolutamente original de nossa história, ele combina pesquisas de ponta e os mais recentes avanços científicos à sua conhecida capacidade de observar o passado de uma maneira inteiramente nova. Assim, descobrir os próximos passos da evolução humana será também redescobrir quem fomos e quais caminhos tomamos para chegar até aqui.

A montanha mágica, de Thomas Mann, traduzido por Herbert Caro
Ansiosamente aguardado pelos leitores brasileiros, volta às livrarias o célebre romance A montanha mágica, a grande obra-prima de Thomas Mann. A nova edição tem tradução de Herbert Caro e posfácio inédito de Paulo Astor Soethe, renomado especialista na obra do autor. Neste clássico da literatura alemã, Mann renova a tradição do Bildungsroman — o romance de formação — a partir da trajetória do jovem engenheiro Hans Castorp. Durante uma inesperada estadia de sete anos em um sanatório para tuberculosos nos Alpes suíços, Hans relaciona-se com uma miríade de personagens enfermos que encarnam os conflitos espirituais e ideológicos que antecedem a Primeira Guerra Mundial. Lidando com uma variedade de temas — estados doentios e corpóreos, a arte, o amor, a natureza do tempo e da morte —, este livro, publicado originalmente em 1924, é um dos grandes testamentos literários do século XX e uma das obras inesgotáveis da ficção ocidental.

Palavra de Médico. Ciência, saúde e estilo de vida, de Drauzio Varella 
Autor de best-sellers como Estação Carandiru (1999) e Carcereiros (2012), voluntário na penitenciária feminina de São Paulo, médico oncologista e maratonista, Drauzio Varella tornou-se figura notória, sobretudo por suas intervenções na TV, na imprensa e, mais recentemente, nas mídias sociais. O médico mais popular do Brasil mantém também uma atividade clínica intensa, além de acompanhar inovações científicas nos campos da medicina, da genética e da biologia, sobre as quais escreve de maneira agradável e acessível. Da verdade sobre os perigos do glúten na dieta à condenação genética do racismo, o leitor encontrará em Palavra de médico um passeio pelas últimas descobertas da medicina e um convite a uma vida saudável.

De volta do inferno, de Ian Kershaw, traduzido por Donaldson M. Garschagen e Renata Guerra
O período que teve início em 1914 e se estendeu até 1949 foi conturbado e sem precedentes na história da humanidade. Foram 36 anos dramáticos, marcados por uma violência inédita, mas também por fascinantes sublevações e transformações políticas. Este livro oferece um relato abrangente dessa era tumultuada. A eclosão da Primeira Guerra Mundial, a ascensão de Hitler, os desdobramentos da Segunda Guerra Mundial — é vasto o arco compreendido pelo premiado historiador britânico Ian Kershaw. Capaz de unir pesquisa original e prosa envolvente, este livro indispensável narra os fatos que alteraram radicalmente o curso da história europeia no século xx e afetam o mundo até hoje.

Paralela

Numa outra, de Sophia Abrahão e Camila Fremder
Atriz, cantora, escritora, apaixonada pelas mídias sociais, Sophia Abrahão não para. Essa versatilidade, aliada ao seu jeito espontâneo e para cima, a transformou em ídolo de milhares de tirulipos (como seus fãs são chamados). Neste livro autobiográfico, pela primeira vez ela relata com detalhes sua história surpreendente e marcada por disciplina e bom humor. Da passagem pela China como modelo aos papéis marcantes na peça “Confissões de um adolescente” e nas novelas “Malhação” e “Rebelde”, sem deixar de fora sua incursão bem-sucedida pelo mundo da música. “Numa outra” ainda traz fotos de arquivo e outras inéditas feitas só para o livro, que foi escrito por Camila Fremder.

Alfaguara

Ouça a canção do vento & Pinball, 1973, de Haruki Murakami
Em 1978, um jovem Haruki Murakami se instala na mesa da cozinha para começar a escrever. Como resultado temos duas novelas brilhantes que marcam o início da carreira de um dos mais cultuados autores contemporâneos. Duas histórias poderosas, e levemente surreais, que tratam de amadurecimento, solidão e erotismo, no melhor estilo Murakami. Alguns dos personagens que conhecemos nessa obra irão reaparecer em Caçando carneiros e Dance, dance, dance, formando uma espécie de trilogia inicial do autor — e esse conjunto, em vez de mostrar um escritor procurando sua voz, já mostra um autor maduro e seguro de seus temas. Traduzidas no Brasil pela primeira vez, Ouça a canção do vento & Pinball, 1973 são uma janela para o mundo fascinante de Murakami.

Reimpressões

Os espiões, de Luis Fernando Verissimo    
De mim já nem se lembra, de Luiz Ruffato    
Dias perfeitos, de Raphael Montes    
Do que é feito o pensamento, de Steven Pinker
E se Obama fosse africano (nova edição), de Mia Couto
Indignação, de Philip Roth    
Tempos vividos, sonhados e perdidos, de Tostão    
Malala, a menina que queria ir para a escola, de Adriana Carranca    
Volta ao mundo em 52 histórias, de Neil Philip    
Contato (edição de bolso), de Carl Sagan    
Dois irmãos (edição de bolso), de Milton Hatoum    
Liderança, de Daniel Goleman    
Cândido, ou o Otimismo, de Voltaire    
Elvis e sua pélvis, de Michael Cox    
Joana d'Arc e suas batalhas, de Phil Robins    
Tutancâmon e sua tumba cheia de tesouros, de Michael Cox
Mago e Vidro - A Torre Negra IV, de Stephen King

 

Neste post