Semana trezentos e vinte e três

Companhia das Letras

O tribunal da quinta-feira, Michel Laub
Um publicitário faz confissões por e-mail ao melhor amigo. Os textos falam de sexo e amor, casamento e traição, usando termos e piadas ofensivas que contam a história de uma longa crise pessoal. Quando a ex-mulher do protagonista faz cópias das mensagens e as distribui, tem início o escândalo que é o centro deste romance explosivo. O fio condutor da história, que une o destino dos personagens diante de um tribunal inusitado, são os reflexos tardios e ainda hoje incômodos da epidemia da aids, e o que está em jogo são os limites do que entendemos por tolerância — mas para chegarmos a eles é preciso ir além do que seria uma literatura “correta” ao tratar de homofobia, assédio, violência, empatia, liberdade e solidariedade.

Inferno provisório, Luiz Ruffato
Neste ambicioso e extraordinário romance, Luiz Ruffato recria literariamente a história do proletariado brasileiro, partindo dos anos 1950 e chegando até o início do século XXI. Publicado originalmente em cinco volumes, Inferno provisório ganha agora sua edição definitiva. Um dos grandes escritores brasileiros em atividade, Ruffato compôs um poderoso mosaico das andanças e agruras do trabalhador brasileiro. Narrado num calidoscópio de vozes, o romance dá a palavra aos desfavorecidos e às figuras invisíveis que construíram e transformaram nossas cidades e nossas fábricas. Verdadeiro épico proletário, Inferno provisório é uma saga descomunal sobre um Brasil que muitas vezes não queremos ver.

 

Companhia das Letrinhas

O lagarto, de José Saramago (xilogravuras de J. Borges)
Você acredita em fadas? Não? Então como explicar a história deste lagarto gigante que surgiu de repente no meio da rua, espalhou o caos entre os moradores da cidade e, no auge da confusão... Melhor não contar, mas garanto que uma coisa impressionante aconteceu! O que será? Convido você a descobrir — e depois ter coragem de reafirmar que continua não acreditando em fadas.

 

Paralela

Moda com propósito, André Carvalhal
Em um mundo cada vez mais conectado, a moda ganhou força e conquistou espaço na vida das pessoas. Agora estamos cheios de produtos e sempre queremos mais. Nos últimos anos, porém, essa ansiedade gerada pelo consumismo tem deixado a sociedade e o meio ambiente esgotados, e a promessa de que a compra traz felicidade claramente não vale mais. No entanto, muitas marcas continuam buscando o lucro através da compra desenfreada. Questionador como sempre, André Carvalhal reflete sobre essas contradições para apresentar aquilo que deveria nortear todas as marcas da atualidade: o fazer com propósito. Mirando muito além da venda e do marketing, ele nos mostra como é necessário entender certos valores ― como sustentabilidade, comércio justo, consciência social e cultural ― para ser capaz de inovar e empreender com sucesso. Assim como é preciso aprender a viver com menos, pensar nas consequências de se buscar sempre o mais barato e refletir no impacto social de cada ação — e isso vale também para os consumidores. Afinal, com informações atualizadas a cada segundo, não basta simplesmente trabalhar por dinheiro. É preciso, acima de tudo, buscar esse novo olhar, para se viver e conquistar com propósito.

 

Suma de Letras

Vamos pegar todos!, Guilherme Coelho
O que acontece quando o jogo que você mais esperava é lançado? Como se tornar o melhor treinador Pokémon de todos os tempos? Coelho sempre foi louco por Pokémon – a tatuagem do Charizard que tem no braço é prova disso. Quando Pokémon Go é liberado no Brasil, ele vê a chance de realizar seu sonho, completando o Pokedex BR e se tornando um verdadeiro mestre Pokémon. Mas será que conseguiria ser o primeiro no país a fazer isso? Disposto a se aventurar para alcançar seu objetivo, o maior youtuber de games do Brasil embarca em uma viagem por diversas capitais brasileiras, tentando capturar todos os monstrinhos do país. Ele só não esperava que Sinbad, um rico youtuber de viagens, que nunca se importou com games, entrasse em seu caminho e iniciasse uma corrida de treinadores... Afinal, quem será o primeiro a pegar todos?

 

Alfaguara

Aos 7 e aos 40, João Anzanello Carrascoza
Primeiro romance do premiado autor João Anzanello Carrascoza ganha nova edição pela Alfaguara. Um dos maiores contistas da atualidade brasileira faz um romance sobre o cotidiano de seu personagem em dois momentos diferentes da vida: aos sete e aos quarenta anos de idade. Na infância, a narrativa é fluida, poética e simples. O roubo de um pássaro no vizinho, uma partida de futebol, o quintal da casa e a relação com o irmão. Já aos quarenta, a narrativa passa a ter uma forma mais fragmentada, mais apropriada para lidar com os acontecimentos dolorosos da vida adulta. Um divórcio, o distanciamento do filho. Mesclando os dois momentos com extrema delicadeza, Carrascoza brinda o leitor com um belo romance que só reforça seu já conhecido talento literário.

 

Reimpressões

Morte e vida Severina, de João Cabral de Melo Neto
Cinzas do norte, de Milton Hatoum
Contos completos, de Lima Barreto
Desonra, de J. M. Coetzee
E se Obama fosse africano? (Nova edição), de Mia Couto
Enclausurado, de Ian McEwan
Getúlio (1882-1930) - Vol. I, de Lira Neto
O evangelho segundo Jesus Cristo, de José Saramago
Soldados, de Harald Welzer    
Declínio e queda do Império Romano (edição de bolso), de Edward Gibbon    
Desenvolvimento como liberdade (edição de bolso), de Amartya Sen    
Poesia completa de Alberto Caeiro (edição de bolso), de Fernando Pessoa    
Felicidade autêntica, de Martin E.P. Seligman    
O homem cordial, de Sérgio Buarque de Holanda    
Nova York, de Will Eisner    
O mundo de Sofia, de Jostein Gaarder    
Último turno, de Stephen King

 

Neste post