Freud 160 anos: celebre o legado do pai da psicanálise

Há 160 anos nascia Sigmund Freud, homem que entraria para a história como o pai da psicanálise. A obra revolucionária do neurologista e psicanalista quebrou paradigmas importantes e trouxe o sujeito, enquanto ser subjetivo e individual, para o centro do debate. Nascido em 6 de maio de 1856 na República Tcheca, viveu em Viena, na Áustria, até fugir do nazismo no fim da década de 1930.

Para celebrar o seu legado, que continua mais importante do que nunca, preparamos uma seleção de livros para entender melhor a obra desse grande pensador.

  

A poetisa americana Hilda Doolittle foi analisanda de Freud entre 1933 e 1934, e amiga até a morte do psicanalista em 1939. Por amor a Freud registra esse intenso período de convivência. Freud acabou por considerar Doolittle tanto paciente quanto aluna, uma das poucas com sensibilidade o bastante para compreender suas teorias e técnicas. A edição brasileira do livro é estendida e conta com apresentação de Elisabeth Roudinesco, fotografias e uma seleção da correspondência de Hilda com Freud e com Bryher, sua companheira de vida.

 

Afasias traz dois textos essenciais: Sobre a concepção das afasias, primeiro livro de Freud; e o  ensaio de Luiz Alfredo Garcia-Roza As Afasias de 1891, em que o escritor brasileiro comenta o livro de Freud, esmiúça seus meandros e analisa o diálogo com pensadores como Charcot e Jacques Lacan.

Publicado por Freud em 1905, o relato da análise de Dora é o principal caso da psicanálise sobre a histeria e é considerado o primeiro grande tratamento psicanalítico. Histeria: O caso Dora apresenta ao leitor o passo a passo empreendido por Freud e Lacan para compreender o enigma da histeria.

 

Nos dois volumes de fundamentos da psicanálise de Freud a Lacan, o psiquiatra e psicanalista Marco Antônio Coutinho Jorge apresenta os conceitos mais importantes da teoria psicanalítica. Édipo ao pé da letra, de Antonio Quinet, retoma as linhas mestras do pensamento de Freud e Lacan sobre o complexo de Édipo, explica de forma didática conceitos menos conhecidos (como o de lalíngua e o da letra enquanto sintoma) e comenta o Édipo rei, descrevendo e analisando os elementos e termos da tragédia grega que interessam à psicanálise.

 

Freud: criador da psicanálise, de Nadiá Paulo Ferreira e Marco Antonio Coutinho Jorge apresenta um panorama da vida, da obra e do tempo em que viveu o pai da psicanálise.

Lições de vida: Freud, de Brett Kahr, traz à tona as ideias mais relevantes do pensador para entendermos nossos dilemas cotidianos. A teoria psicanalítica de Freud, uma vez absorvida, tem a habilidade de aprimorar nossa sensibilidade com os outros e com nós mesmos.

 

Em Freud e o inconsciente, Luiz Alfredo Garcia-Roza mostra como a articulação de certos fatores dos séculos XVIII e XIX constituíram a precondição para o surgimento da psicanálise.

Livro-chave para entender a obra de Freud, O prazer de ler Freud , de J.D. Nasio, é essencial para profissionais experientes e estudantes.

 

 

Neste post