" />

Rádio Companhia #180 - Uma conversa sobre Thomas Pynchon, com Antônio Xerxenesky e Paulo Henriques Britto

O episódio da Rádio Companhia desta semana fala sobre o vencedor do National Book Awards e renomado escritor norte-americano Thomas Pynchon.

Considerado um dos autores definitivos para compreender o século 20, Pynchon escreveu livros monumentais, alguns com mais de mil páginas, e a narrativa enciclopédica é uma característica vital em suas obras. Dois de seus livros, O leilão do lote 49 e Vineland, esgotados há um tempo, voltaram às prateleiras recentemente.

Dominados por um clima de paranoia, seus personagens se metem nos mais variados assuntos – de dirigíveis e gângsteres à contracultura dos anos 1960, passando por selos, correios clandestinos e deep web. Como se não bastasse todo o culto e fascínio que sua produção tem despertado nos últimos 60 anos, Thomas Pynchon não dá entrevistas. E com exceção de uma única foto do final dos anos 1950, ninguém nunca mais viu seu rosto.

Para tentar compreender o enigma Pynchon e seus labirintos, a Rádio Companhia desta semana recebe o escritor Antônio Xerxenesky, autor de Uma tristeza infinita, e que ministra um curso sobre o autor americano na biblioteca Lugar de Ler, e o tradutor Paulo Henriques Britto, responsável por verter para o português títulos fundamentais de Pynchon, como O arco-íris da gravidade, Mason & Dixon e Contra o dia.

***

Apresentação: Thais Britto
Edição: Paulo Júnior

 

***

Ouça no SoundCloud, iTunes, Deezer, Spotify ou no seu agregador de podcasts favorito. Tem alguma crítica, elogio ou sugestão? Escreva pra gente no nosso e-mail, radio@companhiadasletras.com.br, ou nas nossas redes sociais.

Neste post