Semana quatrocentos e vinte e quatro

Companhia das Letras

A literatura nazista na América, de Roberto Bolaño (tradução de Rosa Freire d'Aguiar)

Este livro é, nas palavras do autor, “uma antologia vagamente enciclopédica da literatura nazista produzida na América entre 1930 e 2010”. Com a publicação desta coletânea de escritores fictícios e infames, Roberto Bolaño chamou pela primeira vez a atenção da crítica, que o saudou por sua “originalidade e imaginação brilhante”.

Maternidade, de Sheila Heti (tradução de Julia Debasse)

Um romance provocador e corajoso sobre o desejo e o dever de procriar, escrito pela brilhante escritora canadense Sheila Heti.

Companhia das Letrinhas

O homem-cão e o super gatinho, de Dav Pilkey (tradução de André Czarnobai)

O Homem-Cão está de volta — e dessa vez ele não está sozinho! No quarto volume da série do criador do Capitão Cueca, nosso cãopanheiro contará com a ajuda de um gatinho para enfrentar mais uma vez seu arqui-inimigo: o gato Pepê.

Quadrinhos na cia

Minha coisa favorita é monstro, de Emil Ferris (tradução de Érico Assis)

A história de um assassinato misterioso, um drama familiar, um épico histórico e um extraordinário suspense psicológico sobre monstros — reais e imaginados. A história em quadrinhos mais impactante desde Maus.

Alfaguara

Elegia do irmão, de João Anzanello Carrascoza

Em Elegia do irmão, uma das vozes mais singulares da literatura brasileira narra uma emocionante história sobre o luto pela perda de uma irmã.

Paralela

O paradoxo dos vegetais, de Steven R. Gundry (tradução de Guilherme Miranda)

“Primeiro, repita comigo: ‘A culpa não é minha’. Isso mesmo: você não tem culpa pelos seus problemas de saúde.”

The chase, de Elle Kennedy (tradução de Juliana Romeiro)

Bem-vinda de volta aos jogos de hóquei e às festas da Universidade Briar! No primeiro spin-off da série Amores Improváveis, conheça a apaixonante e misteriosa Summer, irmã de Dean.

Penguin

A falência, de Julia Lopes de Almeida

Leitura obrigatória para o vestibular da Unicamp, A falência se consolida como um dos mais importantes romances do modernismo brasileiro.

Neste post